Pesquise aqui o assunto que você procura:

segunda-feira, 30 de março de 2015

Em meio a crise energética, Brasil vai doar usina à Bolívia

Brasília - Em meio a uma crise de energia sem precedentes no país e em busca de fontes alternativas para evitar um racionamento, o governo brasileiro vai gastar R$ 60 milhões para reformar e doar uma usina térmica para a Bolívia. O Ministério de Minas e Energia está nas tratativas finais para viabilizar a negociação.

A usina térmica Rio Madeira pertence à Eletronorte, uma das empresas do grupo Eletrobras. Inaugurada em 1989, ela foi uma das responsáveis por abastecer os estados de Rondônia e Acre por 20 anos. Com potência de 90 megawatts, o empreendimento fica em Porto Velho (RO) e é capaz de fornecer energia para uma cidade de 700 mil habitantes.

Segundo uma fonte, a usina precisa passar por uma "recauchutagem geral" para entrar novamente em operação. Antes de doá-la, a Eletronorte vai converter a usina para gás natural, combustível abundante na Bolívia.

Essa reforma, com o transporte e montagem na Bolívia, custará R$ 60 milhões. O dinheiro já foi transferido pelo governo para a Eletronorte, responsável pela reforma. Uma usina térmica nova, com capacidade de 100 MW, custa hoje em torno de R$ 100 milhões.

A transação está prestes a ser concluída pela estatal e depende apenas de um sinal verde do Ministério de Minas e Energia. A doação da usina faz parte dos compromissos bilaterais assumidos entre os dois países.

A térmica Rio Madeira foi desativada em outubro de 2009, quando o Estado de Rondônia foi conectado ao Sistema Interligado Nacional (SIN) e passou a ser abastecido por hidrelétricas, que produzem energia mais barata.

Em janeiro de 2014, a fiscalização da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) constatou que a usina, embora desligada, tinha condições de operar parcialmente. Seu prazo de concessão acabava apenas em 2018. No entanto, "devido ao alto custo de operação, esta dificilmente seria despachada".

Por essa razão, a Aneel declarou os bens da usina como "inservíveis à concessão de serviço público". Em 2010, cada megawatt-hora (MWh) produzido pela usina custava R$ 846,98. Atualmente, a térmica mais cara em operação no Brasil é a de Xavantes, também a movida a óleo diesel, com custo de operação de R$ 1.167 por MWh.

A conclusão da Aneel deu aval para a continuidade das negociações, que agora estão em fase final. Segundo uma fonte da Eletrobras a par do assunto, trata-se de uma "térmica de qualidade ruim", por isso o Brasil não faria questão de ficar com a planta.

Por meio de nota, o Ministério de Minas e Energia informou que o acordo teve como objetivo "promover a cooperação energética com a Bolívia". O ministério disse que a transferência de R$ 60 milhões foi autorizada por meio da Medida Provisória 625/2013.

O ministério informou ainda que os trâmites necessários para operacionalizar o acordo deveriam ser informados pela Eletronorte. Já a empresa declarou que o governo deveria se pronunciar sobre o assunto, já que se trata de uma negociação internacional.

O pedido de doação da termelétrica foi feito diretamente pelo presidente boliviano, Evo Morales, em uma reunião bilateral com Dilma Rousseff - a primeira entre os dois - durante a primeira Cúpula da Comunidade de Estados Latino-americanos (Celac), na Venezuela, em dezembro de 2011.

No encontro, Evo explicou à presidente os problemas de energia e os apagões constantes enfrentados por seu país e pediu ajuda. Apesar de ser um dos maiores produtores de gás do mundo, a Bolívia não tem os equipamentos para transformá-lo em energia elétrica.

Dilma prometeu ceder então à Bolívia a termelétrica Rio Madeira, que estava sem uso no Brasil, mas que precisava ser reformada. O contrato seria de empréstimo por 10 anos, renováveis. Na prática, no entanto, o empréstimo se transformaria em uma doação, já que o custo de devolver a usina para o Brasil dificilmente compensaria.

A política de boa vizinhança, no entanto, tem por trás não apenas também necessidade de garantir a boa vontade dos bolivianos. Maior fornecedor de gás ao Brasil, o governo da Bolívia já aumentou duas vezes o preço do metro cúbico enviado ao país, mas garante o abastecimento de outros usinas brasileiras.

Além disso, o Brasil quer viabilizar a construção de uma hidrelétrica binacional, na divisa entre os dois países. Trata-se de um projeto antigo e discutido há anos pelos dois governos, sem ter nenhuma decisão prática até hoje.

O governo ainda terá que elaborar um memorando de entendimento para fazer a cessão formal à Bolívia, o que só deve acontecer quando a usina estiver pronta para ser enviada aos bolivianos. O ato também é enxergado como uma forma de melhorar a imagem do Brasil em La Paz, abalada desde a fuga do senador Roger Pinto Molina da embaixada brasileira, ajudado pelo diplomata Eduardo Sabóia.

A Bolívia continua sofrendo com apagões, especialmente no interior do país, para onde deve ser enviada a termelétrica do Rio Madeira.
(Fonte: Exame.com)

quinta-feira, 26 de março de 2015

Ativista critica cotas em vídeo na web; Assista:

Por que somos um país racista? 



Em seu canal (Inimigos Públicos), Fernando Holiday critica sistema de cotas do país.
No vídeo intitulado de: "Por que somos um país racista?", ele diz que "cota é roubo de vaga", e fala que "Dia da Consciência Negra para homenagear Zumbi é a mesma coisa que Dia da Consciência Branca para homenagear Hitler". 

Você concorda com ele? 


Deixe sua opinião:

Hacker de 19 anos mostrou como fez para fraudar eleições no RJ

Você confia nas urnas eletrônicas?

As últimas informações dão conta que o Hacker que demonstrou as falhas das urnas no RJ está sob proteção policial. A identidade do mesmo não é revelada pelas forças policiais qu acompanham o caso, em face do risco à vida do jovem.

O registro do caso é oficial e ocorreu durante as eleições Municipais em 2012, no Rio de Janeiro.

Acompanhado por um especialista em transmissão de dados, Reinaldo Mendonça, e de um delegado de polícia, Alexandre Neto, um jovem hacker de 19 anos, identificado apenas como Rangel por questões de segurança, mostrou como — através de acesso ilegal e privilegiado à intranet da Justiça Eleitoral no Rio de Janeiro, sob a responsabilidade técnica da empresa Oi – interceptou os dados alimentadores do sistema de totalização e, após o retardo do envio desses dados aos computadores da Justiça Eleitoral, modificou resultados beneficiando candidatos em detrimento de outros – sem nada ser oficialmente detectado.

Fácil, fácil, diz o Hacker

“A gente entra na rede da Justiça Eleitoral quando os resultados estão sendo transmitidos para a totalização e depois que 50% dos dados já foram transmitidos, atuamos. Modificamos resultados mesmo quando a totalização está prestes a ser fechada”, explicou Rangel, ao detalhar em linhas gerais como atuava para fraudar resultados.

Especialistas ficaram de boca aberta após demonstração

O depoimento do hacker – disposto a colaborar com as autoridades – foi chocante até para os palestrantes convidados para o seminário, como a Dra. Maria Aparecida Cortiz, advogada que há dez anos representa o PDT no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para assuntos relacionados à urna eletrônica; o professor da Ciência da Computação da Universidade de Brasília, Pedro Antônio Dourado de Rezende, que estuda as fragilidades do voto eletrônico no Brasil, também há mais de dez anos; e o jornalista Osvaldo Maneschy, coordenador e organizador do livro Burla Eletrônica, escrito em 2002 ao término do primeiro seminário independente sobre o sistema eletrônico de votação em uso no país desde 1996.

Sob proteção policial 24 horas por dia...

Rangel, que está vivendo sob proteção policial e já prestou depoimento na Polícia Federal, declarou aos presentes que não atuava sozinho: fazia parte de pequeno grupo que – através de acessos privilegiados à rede de dados da Oi – alterava votações antes que elas fossem oficialmente computadas pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Fraude em benefícios de políticos locais...

A fraude, acrescentou, era feita em benefício de políticos com base eleitoral na Região dos Lagos – sendo um dos beneficiários diretos dela, ele o citou explicitamente, o atual presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), o deputado Paulo Melo (PMDB). A deputada Clarissa Garotinho, que também fazia parte da mesa, depois de dirigir algumas perguntas a Rangel - afirmou que se informará mais sobre o assunto e não pretende deixar a denúncia de Rangel cair no vazio.

Fernando Peregrino, coordenador do seminário onde foi apresentado como foi burlada a eleição, por sua vez, cobrou providências:

“Um crime grave foi cometido nas eleições municipais deste ano, Rangel o está denunciando com todas as letras – mas infelizmente até agora a Polícia Federal não tem dado a este caso a importância que ele merece porque ele atinge a essência da própria democracia no Brasil, o voto dos brasileiros” argumentou Peregrino.
(Fonte: FolhaCentroSul)


quarta-feira, 25 de março de 2015

Correios distribuíram panfletos de Dilma de forma irregular, conclui TCU

Estatal descumpriu as próprias normas e não poderia ter remetido propaganda da então candidata à reeleição sem chancela ou comprovante de postagem


A área técnica do Tribunal de Contas da União (TCU) concluiu que os Correios distribuíram de forma irregular, em São Paulo, 4,8 milhões de panfletos da presidente Dilma Rousseff na campanha eleitoral do ano passado, segundo informações publicadas pelo jornal O Estado de S.Paulo. O relatório diz que a estatal descumpriu as próprias normas e não poderia ter remetido propaganda da então candidata à reeleição sem chancela ou comprovante de postagem.

Correios distribuíram 4,8 milhões
de panfletos de Dilma Rousseff 
de maneira irregular
(Foto: Agência Brasil)
De acordo com a publicação, o TCU fez auditoria nas duas diretorias regionais de São Paulo em outubro do ano passado. O relatório aponta que não há previsão nas normas dos Correios para que o material seja despachado sem a chancela. A estampa serve para atestar que a quantidade de material enviado corresponde ao que foi contratado e pago.

A avaliação concluiu que não foi possível aferir se a quantidade de folders distribuída correspondeu ao que foi contratado pelo PT. De acordo com os Correios, também houve remessa de material nas mesmas condições para outros candidatos, mas em volume inferior.

O Estado afirma que a Diretoria Metropolitana dos Correios em São Paulo deu duas autorizações para a emissão sem chancela, liberando a campanha de Dilma para despachar os 4,8 milhões de panfletos e permitindo o enviou de 339,4 mil peças do candidato a deputado federal Paulo Frange (PTB). Após a data houve mais oito autorizações, a maioria para partidos da coligação “Com a Força do Povo”, de Dilma.

Para o TCU, há indícios de que os procedimentos feriram a isonomia entre candidatos. A equipe técnica também afirmou que carteiros chegaram a ser confundidos com cabos eleitorais na época das eleições. O Tribunal de Contas afirma o PT pagou as despesas mediante boleto e sem celebração de contrato, e não à vista, por meio de cheque nominal e transferência eletrônica, conforme as normas da estatal.
(Fonte: Notícias/Terra)


MST afronta justiça, invade fazenda produtiva, ateia fogo em carro e alveja proprietário



A propriedade rural Serrote de Imbiguda, localizada no município de Casserengue, a 160 Km da Capital, foi palco às 2h30 da madrugada da última segunda-feira, de um violento ataque, praticado por cerca de 40 integrantes do movimento MST.

De acordo com informações do delegado de Solânea, Diógenes Chaves, que atendeu a solicitação, bem como de familiares e pessoas que testemunharam o ocorrido, o proprietário da terra, Leonardo Jardelino, que estava dormindo no interior de sua residência juntamente com um casal e respectivos filhos, dentre eles uma criança de 6 anos, foi surpreendido por tiros, ameaças físicas e incêndio patrimonial. O veículo Fiat Uno, de placa MNO 2396, foi completamente destruído pelo fogo.

Baleado nos pés

No momento da invasão o proprietário foi baleado nos dois pés, instante no qual se manteve refugiado no banheiro da residência, já perdendo sangue, solicitando socorro policial e médico. As ameaças por parte dos invasores não cessaram.

A polícia militar só chegou ao local por volta das 4h45, escoltando o proprietário e demais vítimas que se encontravam no interior da casa. O Samu socorreu Leonardo Jardelino às 6h, aproximadamente, transportando-o para o Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande.

Os invasores permanecem na sede da propriedade, em que pese a decisão de Reintegração de Posse (Processo 0029135-26.2013.815.2001) concedida recentemente pela Vara de Feitos Especiais de João Pessoa.

Este incidente gerou a Ação de Reintegração de Posse nº 0029135-26.2013.815.2001 que tramita na Vara de Feitos Especiais da Comarca de João Pessoa, tendo sido concedida uma liminar de reintegração ao proprietário. Durante a tramitação deste processo, ocorreu a suspensão do programa de reforma agrária do Interpa, prejudicando todas as 72 famílias envolvidas no referido financiamento e impedindo Leonardo Jardelino de qualquer atividade.

Entenda o caso

A propriedade Serrote da Imbiguda sempre se destacou na produção de cereais e criação de animais de corte, tendo sido durante muitos anos parceira da Emepa no programa de produção de sementes melhoradas.

Em que pese ser uma propriedade evidentemente produtiva, o Serrote da Imbiguda foi vistoriado pelo Incra, oportunidade na qual foi emitido laudo concluindo pelo inteiro caráter produtivo da mesma.

No ano de 2012 o proprietário Leonardo Jardelino aderiu ao programa de Reforma Agrária pelo Crédito Fundiário, coordenado pelo Interpa, pelo qual produtores rurais de agricultura familiar adquirem glebas através de financiamento do governo federal.

É importante salientar que sua adesão foi aprovada por uma Câmara Técnica constituída por todas as instituições relacionadas ao setor fundiário, dentre elas Fetag, Incra, Emepa, Emater, Faepa, etc., tendo cumprido, pois, todos os requisitos do programa.

Quando o referido processo já se encontrava em vias de conclusão e as terras na iminência de serem distribuídas às famílias de agricultores, a propriedade foi invadida no dia 28/07/2013 pelo MST, que, saliente-se, é totalmente contrário à prática deste modelo de reforma agrária.

Este incidente gerou a Ação de Reintegração de Posse nº 0029135-26.2013.815.2001 que tramita na Vara de Feitos Especiais da Comarca de João Pessoa, tendo sido concedida uma liminar de reintegração ao proprietário. Durante a tramitação deste processo, ocorreu a suspensão do programa de reforma agrária do Interpa, prejudicando todas as 72 famílias envolvidas no referido financiamento e impedindo Leonardo Jardelino de qualquer atividade.

No último dia 28 de janeiro, 180 dias após a invasão, a polícia, atendendo à ordem judicial, reintegrou a posse da propriedade. A partir de então o programa foi retomado. Cientes de que o processo de financiamento caminhava para sua finalização, o MST, em flagrante descumprimento de decisão da Justiça, invadiu novamente a propriedade de maneira violenta, com participantes fortemente armados.

Brasil suspende importação de maçã, pera e marmelo da Argentina

Doença conhecida como traça da maçã foi encontrada em carregamentos. Suspensão será mantida até que o sistema argentino seja reavaliado.


O Ministério da Agricultura anunciou nesta terça-feira (24) que suspendeu a importação de frutos frescos de maçã, pera e marmelo da Argentina devido à presença da praga Cydia pomonella, conhecida como traça da maçã, em carregamentos provenientes daquele país.

A suspensão dos três produtos será válida até que o sistema argentino para mitigação de riscos seja reavaliado.

Por meio de nota, a ministra Kátia Abreu afirmou que todos os cuidados foram tomados. "Na questão de defesa sanitária e controle de pragas e doenças, o Brasil não pode transigir. A tolerância será zero, independentemente do parceiro comercial", afirmou.

A pasta informou, ainda, que no primeiro trimestre de 2015 interceptou a presença de insetos vivos de Cydia pomonella (traça da maçã) em 15 carregamentos de pera e maçã importados da Argentina.

"Uma auditoria oficial do Brasil no sistema de mitigação de risco da Argentina estava programada para o mês de março, mas, a pedido daquele país, foi postergada para abril. Recentemente, o governo argentino solicitou mais uma vez o adiamento da auditoria", informou o ministério.

O ministério disse também entender que é necessário manter a data anteriormente acordada para que seja possível inspecionar as plantas ainda no campo, considerando o período produtivo das lavouras.
(Fonte: GloboRural)


segunda-feira, 23 de março de 2015

CÂMARA FARÁ AUDIÊNCIA SOBRE DOUTRINAÇÃO NAS ESCOLAS PELA PRIMEIRA VEZ NA HISTÓRIA

Por Rodrigo Constantino - VEJA
Há indícios de ventos de mudança por todo lugar. O brasileiro vai aos poucos despertando da longa sonolência, descobrindo que tem mais poder do que pensava, que pode reagir aos avanços dos bolivarianos, que é possível remar contra a maré vermelha. Pela primeira vez na história, a Câmara terá uma audiência para investigar a doutrinação ideológica nas escolas.

É um primeiro passo. Não sabemos o que vai sair de concreto disso, mas sem dúvida é uma notícia alvissareira. Miguel Nagib, da ONG Escola Sem Partido, celebra a notícia: “Modéstia à parte, acho que o trabalho do ESP tem muito a ver com isso. Essa audiência prepara o caminho para uma lei nacional contra a doutrinação. Foi o mais longe que nós já chegamos até agora”.

Não resta dúvida de que o árduo trabalho da ONG tem parte nisso. Indivíduos fazem a diferença. Por isso mesmo precisamos parar de só reclamar e arregaçar as mangas para agir. Cada um precisa fazer sua parte, mostrar-se vigilante, não permitir passivamente a doutrinação dos filhos nas escolas, mesmo as particulares, denunciar os “professores” que, em vez de ensinar sua matéria, preferem fazer proselitismo político e defender partidos corruptos.

Em sua coluna de hoje no GLOBO, Roberto DaMatta foi certeiro quando disse que chegou a hora do brasileiro comum. O que vimos no domingo foi uma multidão de gente da classe média com bandeiras verdes e amarelas, gritando que nossa bandeira não é vermelha. É exatamente isso: não aceitamos mais o socialismo, as ideologias empurradas goela abaixo de nossos filhos, pois somos brasileiros, não bolivarianos. Escreveu o antropólogo:

A nobreza das utopias — alimentar os famintos, vestir os nus, dar abrigo aos sem-teto — são as palavras magicas dessa cosmologia política pervertida, segundo a qual o governo, sabendo tudo e tudo possuindo, sabe mais e melhor do que a sociedade.

Mas eis que, depois uma década no poder, nada disso ocorre, exceto a utopia de enricar sem fazer nada — apenas governando e politicando: vendo onde, quando e quanto se pode tirar sem dolo, culpa ou remorso porque o dinheiro era do lucro e o lucro, como na Idade Média, é roubo e pecado. E quem rouba o ladrão tem mil anos de perdão…

Assusta, neste glorioso 15 de março, essas manifestações não encarnadas pelo falso vermelho, e marcadas pelo verde-amarelo. O verde-esperança e o ouro sem mácula que pintam o coração de milhares de brasileiros. Esses cidadãos comuns. Essa gente miúda. Esse povinho sem ideologia ou utopia, mas com a moralidade, apesar de tudo, intacta!

A utopia marxista serviu, até hoje e em todos os lugares, apenas para espalhar um mar de miséria e muita escravidão, enriquecendo os governantes enquanto isso. Não aceitaremos mais que militantes disfarçados de professores tentem praticar lavagem cerebral em nossos filhos. O ensino público é essa desgraça em boa parte pela substituição do aprendizado objetivo pela disseminação de ideologia vermelha nas salas de aula. Desde escolas até universidades.

Que os deputados saibam que estamos atentos, que acompanharemos o andar dessa comissão, que estamos cansados de tanta doutrinação e, como cidadãos comuns, desejamos apenas um melhor ensino público, onde nossos filhos aprendam a ler e a escrever direito, a fazer contas, e não que o socialismo é uma maravilha e o capitalismo o grande mal da humanidade. Chega de tanta doutrinação!

quarta-feira, 18 de março de 2015

Boris Casoy denuncia: "Lula quer implantar censura no Brasil"

↓ Assista o vídeo 




O petista:
  1. É o cara que se escandaliza com Bolsonaro, mas não vê problema algum em Graça Foster, em Dilma, em Lula.
  2. É o cidadão que se preocupa com os centavos da passagem de ônibus, mas ignora os milhões da Petrobras.
  3. É a moça que defende o aborto, mas considera a palmada um crime hediondo.
  4. É aquele que odeia os judeus e quer a destruição do Estado de Israel, mas faz campanha contra o racismo e xinga os adversários de nazistas.
  5. É aquele que acusa Bolsonaro de ser apologista do estupro, mas ignora o professor que defendeu o estupro de Rachel Sheherazade.
  6. É aquele que chama empresário de sonegador, mas aceita a maquiagem fiscal da Dilma.
  7. É aquele que protesta quando morre um traficante, mas festeja quando morre um policial militar.
  8. É aquele que não se importa em destruir a vida do adversário, se isso for importante para a causa.
  9. É aquele que passa a odiar sua cidade quando a maioria não vota em sua candidata.
  10. É aquele que chama o caso Celso Daniel de "crime comum"
  11. É aquele que usa a expressão "ação penal 470" para se referir ao mensalão.
  12. É aquele que prega a estatização do financiamento eleitoral.
  13. É aquele que usa a palavra "estadunidense".
  14. É aquele que tem uma grande simpatia pelos nanicos da linha auxiliar do PT.
  15. É aquele que não vê nada demais no fato de o PIB per capita da Coreia do Sul ser de 32 mil dólares e o da Coreia do Norte, de 1.800 dólares. Afinal, a Coreia comunista é mais igualitária.
  16. É aquele que apoia o movimento gay, mas também apoia o regime cubano, que já fez campos de concentração para homossexuais.
  17. É aquele que acredita em governo grátis, mesmo quando o País trabalha até maio só para pagar impostos.
  18. É aquele que odeia a censura, mas quer o controle social da mídia.
  19. É aquele que faz tudo para acabar com a família e a igreja, pois sabe que elas são os principais focos de resistência ao poder do Estado e dos movimentos sociais.
  20. No fundo ele sabe que o país está sendo saqueado, exaurido, violentado - mas diz que o problema é o Bolsonaro.
  21. É aquele que nunca perdoa.
  22. É aquele que apoiou o impeachment de Collor e acha que foi legitimo, mas falar no impeachment de Dilma é golpismo.
(Autor desconhecido). 

terça-feira, 17 de março de 2015

Cunha diz que vai arquivar pedidos de impeachment contra Dilma

Presidente da Câmara acredita que impedimento da presidente é uma situação que "beira o ilegal e o inconstitucional"


O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), indicou nesta segunda-feira que vai arquivar os pedidos de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff que chegarem à Casa. Cunha, que é o terceiro na linha de sucessão da Presidência, disse que não leu o pedido do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), mas acredita que o impeachment "não é a solução". Ele ainda disse que o impedimento da presidente é uma situação que "beira o ilegal e o inconstitucional".

Efetivamente, da nossa parte, não tem guarida para poder dar seguimento, até porque entendemos que esta não é a solução. Entendemos que temos um governo que foi legitimamente eleito e que, se aqueles que votaram neste governo se arrependeram de terem votado, isso faz parte do processo político. E não é dessa forma que vai resolver argumentou o peemedebista, após participar de um encontro na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo. 


Temos que debater, sim, o que aconteceu nas ruas ontem, temos que buscar formas que ajudem o governo a se encontrar com aquilo que a sociedade deseja ver. Mas não a partir de situações que cheiram e beiram o ilegal e o inconstitucional completou.

Em seguida, o presidente da Câmara passou a fazer críticas ao governo e aos ministros José Eduardo Cardozo, da Justiça, e Miguel Rossetto, da Secretaria-Geral da Presidência, escalados para defender o governo no início da noite de domingo. Cunha disse que a fala dos ministros não refletiu o clima das ruas e chamou a participação dos dois de "desastre". 


Não vi ninguém nas ruas pedir reforma política, vi pedirem reforma de governo. Não vi ninguém nas ruas dizendo que o financiamento empresarial é o problema disse Cunha.

Sobre a proposta de um pacote anticorrupção apresentada pelos ministros, Cunha ironizou dizendo que há dois anos escuta o governo dizer que vai mandar as medidas para o Congresso. 

Qualquer proposta que mandarem, eu coloco em votação imediatamente disse.

(Fonte: ZHnotícias)





domingo, 15 de março de 2015

Barbosa cobra no Twitter: Dilma deveria se pronunciar


Joaquim Barbosa, ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), usou sua conta no Twitter para reclamar da resposta do governo à maior manifestação da história democrática ocorrida neste domingo contra a presidente Dilma Rousseff. "Num dia como o de hoje, achei um erro colocar ministros de Estado para falar. O momento era para a chefe de Estado se dirigir à Nação. Ponto", escreveu. Barbosa ainda criticou as linhas de defesa do ministro José Eduardo Cardozo (Justiça). "(sic) Min Cardozo insiste num erro deliberado e frequente: o de insinuar que as iniciativas do MPF e da PF são impulsionadas pelo governo".
(Fonte: VEJA)

"Quem incita o ódio não sou eu, é a militância petista" afirma líder do Movimento Brasil Livre

Fã de Milton Friedman e Friedrich Hayek, o coordenador nacional do Movimento Brasil Livre, Kim Kataguiri, é um liberal convencido de que o País seria melhor sem o PT


Filho de um metalúrgico e de uma dona de casa, Kim Patroca Kataguiri, de 19 anos, é o garoto que está por trás do Movimento Brasil Livre, um dos articuladores dos protestos que pedem a saída da presidente Dilma Rousseff. Na semana passada, ele recebeu a ISTOÉ numa produtora no centro de São Paulo, vestindo camisa xadrez de manga curta, bermuda cargo e meias brancas, sem tênis. É lá que ele grava vídeos satíricos, que fazem sucesso na internet. “É como se fosse uma linguagem de esquerda só que defendendo os valores certos”, diz. “Quero mostrar que é possível ser jovem, liberal e legal.” Depois de abandonar o curso de Economia na Universidade Federal do ABC, ele agora quer juntar dinheiro para estudar no exterior.

ISTOÉ – Há base jurídica para o impeachment da presidente Dilma Rousseff?
Kim Kataguiri –
Ainda que ela não seja impichada por dolo, pode sê-lo por culpa. Foram oito anos no Conselho de Administração da Petrobras e ela não responsabilizou seus subordinados. E, uma vez que se impede o livre exercício dos três poderes, o presidente pode ser impichado. O Petrolão é exatamente isso. O governo usa dinheiro de estatais para submeter o Legislativo ao Executivo. Cria-se uma ditadura.

ISTOÉ – Você está convicto de que Dilma é corrupta?
Kataguiri –
Sem dúvida. Não há como chegar à posição em que ela chegou sem se envolver em todos os esquemas que a circundam.

ISTOÉ – Com a divulgação da lista do Janot, que inclui o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, e do Senado, Renan Calheiros, você acha que ainda há chance de o Congresso abrir um processo de impeachment?
Kataguiri –
Sim. O PMDB é um partido corrupto, mas não é um partido que obstrui a democracia. Ainda que eles estejam envolvidos, há como passar o impeachment livrando-se do processo do Petrolão. O impeachment é um processo político que depende da aprovação das duas casas e o PMDB tem a maioria nelas.

ISTOÉ – Se Dilma for impichada, quem assume a presidência é o vice, Michel Temer. Ele seria capaz de fazer um governo melhor?
Kataguiri –
Um governo menos pior. Apesar de provavelmente continuar com uma economia “neokeynesiana”, com intervencionismo e expansão monetária, o PMDB não vai fazer um governo totalitário, porque é a democracia que o manteve até agora.

ISTOÉ – O economista Luiz Carlos Bresser Pereira definiu a polarização das eleições de 2014 como “um ódio coletivo da classe alta, dos ricos, contra um partido e uma presidente.” Você concorda com isso?
Kataguiri –
Não. Quem mais sofre com a crise econômica gerada pelo PT são os pobres. Não adianta um miserável receber Bolsa Família se o dinheiro dele é corroído pela inflação.

ISTOÉ – Qual é o seu sentimento em relação à Dilma e ao PT?
Kataguiri –
Não é algo movido pela emoção. Estou vendo o que está acontecendo, estou vendo ela passando por cima do Legislativo, a inflação disparando, ela apoiando a Venezuela, ela querendo dialogar com o Estado Islâmico. É muito mais racional que um sentimento, um ódio. Não é infantil. Quem sente ódio é a militância petista. Tanto que quando passo nas ruas, as pessoas me reconhecem e falam: “Lá vai o molequinho branco de classe média, lá vai o fascista”.

ISTOÉ – Além do governo do PT, o que mais o indigna? A falta d’água em São Paulo, por exemplo?
Kataguiri –
Claro. Sou a favor da privatização do sistema de água. Mas não posso colocar uma pauta por cima da outra. O momento é de indignação com o PT.

ISTOÉ – Hostilizar a presidente é uma estratégia de protesto válida? Você concorda com as pessoas que xingam a presidente?
Kataguiri –
Não. O campo de bater é nas ideias. Quando começa a atacar a pessoa, perde a razão. Temos que atacar as medidas antidemocráticas dela, o Estado inchado, não ela em si.

ISTOÉ - Você se considera um reacionário?
Kataguiri –
Depende da definição de reacionário. Como diria Nelson Rodrigues, eu reajo contra tudo que não presta. Ou, como diria Eça de Queirós, “só um cadáver não reage aos vermes que o corroem”. Se for nesse sentido, sim.

ISTOÉ – Você já foi agredido desde que iniciou o movimento?
Kataguiri –
Fisicamente não. Só verbalmente na rua e pela internet.

ISTOÉ – Como você define sua ideologia?
Kataguiri –
Sou um liberal. Defendo o liberalismo econômico, a redução dos impostos, do Estado, privatização das estatais, sistema de voucher para a saúde e para a educação.

ISTOÉ – Quando você defende o Estado mínimo, defende também a não intervenção do Estado na vida privada? É favor do casamento gay, da legalização da maconha?
Kataguiri – Eu sim, mas não falo pelo movimento.

ISTOÉ – Do aborto também?
Kataguiri –
Não, porque entra numa questão filosófica. O ser humano é um ser permanente contínuo? Essa é uma discussão que é levada muito superficialmente.

ISTOÉ – Você é contrário ao salário mínimo?
Kataguiri –
Sim, ele cria uma distorção de mercado. Quando você cria um salário mínimo, você limita o emprego para as pessoas que possuem menos capacidade de produzir. Mas os empresários não vão explorar a mais valia? Não. Você pode ver que no Brasil só 10% da população recebe o salário mínimo, o resto recebe mais. Se a teoria da mais valia fosse verdadeira, todo mundo receberia o salário mínimo, porque o empresário ia querer lucrar ao máximo em cima daquela pessoa. Ou seja, o que cria o verdadeiro piso salarial é o mercado em si, a competição dos empregadores pelos empregados e não a canetada de um burocrata em Brasília.

ISTOÉ – O que você leu da obra de Milton Friedman?
Kataguiri –
Agora você me pegou. Faz tempo que não leio Friedman. Comecei a ler por conta própria. As obras que mais me influenciaram foram as de (Ludwig von) Mises, “As Seis Lições”, “O Caminho da Servidão”, de (Friedrich) Hayek, e “A Política da Prudência”, de Russell Kirk.

ISTOÉ – E Karl Marx, você tem algum interesse em ler?
Kataguiri –
Já li “O Capital” e “O Manifesto Comunista”. Não tem embasamento nenhum. Tanto que se lê Marx em Ciências Sociais, em Filosofia, só não se lê em Economia. E é um livro de economia, não de filosofia. É uma piada internacional em termos econômicos.

ISTOÉ – Você tem alguma ambição política? Pensa em se candidatar no futuro?
Kataguiri –
Por enquanto, não penso nisso.

ISTOÉ – Você já foi convidado a entrar em algum partido?
Kataguiri –
Por incrível que pareça, pelo Psol, no ano passado.
(Fonte: ISTOÉ)

sexta-feira, 13 de março de 2015

Flagrante de distribuição de dinheiro em ato no Rio

Em ato no Rio, sindicalistas recebem dinheiro de coordenador

Veja o vídeo AQUI


Como sempre ocorre em manifestações oficiais, digamos assim, organizadas por governantes, partidos políticos, sindicalistas e movimentos sociais, muitos militantes recebem pagamento para participar.

No ato público programado pelo PT no centro do Rio de Janeiro, por exemplo, militantes usando camisetas do Sindipetro NF (Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense) foram flagrados recebendo dinheiro de um coordenador do sindicato. A distribuição parou quando a reportagem da Folha se aproximou, mas o fotógrafo Lucas Vetorazzo já tinha acionado a máquina.

Mas o militante Mateus Silva, de 18 anos, que afirmou estar desempregado, contou que mora em Campos dos Goytacazes, no Norte do Estado do Rio, veio de ônibus para o Rio de Janeiro e disse ter recebido R$ 50 para participar da manifestação.

Militantes que vieram representando outras entidades e representações sindicais deram entrevistas dizendo terem recebido R$ 35 para participar do ato público organizado diante a do edifício-sede da Petrobras, na Avenida Chile.


Protestar com a bandeira nacional enrolada ao corpo não protege ninguém



Todo cuidado é pouco na hora de se manifestar nas ruas.



Caros leitores,

A manifestação convocada para o dia 15/03 contra o Governo Federal está se avizinhando. Em razão disso, decidi reeditar este pequeno texto de minha autoria, de modo a alertar as pessoas desavisadas sobre os riscos de se enrolar na bandeira nacional, achando que adotando tal postura estarão protegidas de agressões da polícia.

No ano de 2013, após as manifestações iniciadas pelo movimento Passe Livre, milhões de brasileiros foram às ruas se manifestar defendendo as mais diversas causas. Naquela época, circulava no Facebook uma mensagem, cuja autoria era atribuída ao apresentador Jô Soares, em que ele, supostamente, recomendava aos manifestantes que se enrolassem em bandeiras do Brasil para manifestar, pois, assim se "vestindo", caso fossem agredidos, haveria ofensa à bandeira nacional, o que, de acordo com o art. 44 do Decreto-Lei n. 898/1969, constitui crime.

Transcrevo abaixo o texto cuja autoria é atribuída a Jô Soares:


“Prezados;

Avisem a todos os manifestantes para usarem a bandeira brasileira como manto em volta do corpo, qualquer ato contra uma pessoa que esteja com a bandeira sobre o corpo é um ato contra a bandeira nacional. Isso é crime conforme o art. 44ºdo Decreto-lei nº 898, de 29 de setembro de 1969: “Destruir ou ultrajar a bandeira, emblemas ou símbolos nacionais…, quando expostos em lugar público: Pena: detenção, de 2 a 4 anos.

Os policiais provavelmente não vão respeitar isso devido à seu péssimo treinamento e pouco amor à pátria. Isso vai fazer eles se atacarem, pois vão ser feitas fotos com policiais atirando contra a bandeira, atirando spray de pimenta e bombas. Mesmo se nesse momento a imprensa não ficar a favor, vai atrair a atenção da imprensa internacional. Não apenas pelo fato do ataque à bandeira, mas também porque o dever de policias/bombeiros e médicos é servir a sua pátria tão amada.”

De fato, o artigo mencionado no texto dizia o seguinte:

“Art. 44. Destruir ou ultrajar a bandeira, emblemas ou símbolos nacionais, quando expostos em lugar público:

Pena: detenção de 2 a 4 anos.”

NOSSO ALERTA:

O referido Decreto-Lei de fato existia, mas foi REVOGADO pela Lei n. 6.620/78. Esta lei, por sua vez, foi revogada pela Lei n. 7.170/83, sendo que nesta lei o artigo em questão não mais existe; foi suprimido, ocorrendo verdadeira abolitio criminis. O referido dispositivo – art. 44 do revogado Decreto-Lei 898/1969 – NÃO EXISTE MAIS!

O episódio em questão é mais uma faceta do que se denomina “ativismo de sofá”, em que os internautas, em momentos como o presente, de agitação social, acreditando estarem praticando um ato de civismo ao compartilhar acriticamente conteúdos veiculados nas redes sociais, na verdade prestam um desserviço a seus pares. O pior é que essa falta de critério não atinge somente os desinformados. Tive a oportunidade de ver gente da elite intelectual compartilhando a falsa informação.

Ademais, além de não proteger ninguém seja lá do que for, enrolar-se na bandeira nacional configura contravenção penal, a teor do que dispõe a Lei n. 5.700/71:


Art. 31. São consideradas manifestações de desrespeito à Bandeira Nacional, e portanto proibidas:

(…)

III – Usá-la como roupagem, reposteiro, pano de bôca, guarnição de mesa, revestimento de tribuna, ou como cobertura de placas, retratos, painéis ou monumentos a inaugurar;

(...)

Art. 35 – A violação de qualquer disposição desta Lei, excluídos os casos previstos no art. 44 do Decreto-lei nº 898, de 29 de setembro de 1969, é considerada contravenção, sujeito o infrator à pena de multa de uma a quatro vezes o maior valor de referência vigente no País, elevada ao dobro nos casos de reincidência.

Sendo assim, fica o alerta para que os manifestantes não caiam nessa de sair enrolados em bandeiras do Brasil, pensando que estarão protegidos. O tal post do Jô Soares está errado. Aliás, como o próprio apresentador faz questão de ratificar em seus programas, ele não faz parte de nenhuma rede social.

Enrolar-se na bandeira nacional, no máximo, pode proporcionar um efeito moral, simbólico, mas jamais protegerá o manifestante de absolutamente nada. Ao contrário, tem o condão de torná-lo um contraventor, conforme disposto na Lei n. 5.700/71.

Clicar o mouse, não se nega, pode transmitir a sensação de poder. Está tudo na frente do internauta, pronto para ser acessado e compartilhado no momento em que ele bem desejar. Mas, nunca é demais investir um pouco de tempo para pesquisar as informações veiculadas em sites e, principalmente, nas redes sociais antes de saírem compartilhando-as.

O alerta é pertinente, porquanto mensagens equivocadas, como a atribuída a Jô Soares, têm o potencial de encorajar pessoas desavisadas a irem para as ruas pensando que estarão trajando um "escudo" ou uma "capa de super-herói" e, além disso, em razão da conhecida truculência de alguns policiais durante as manifestações.

Pesquisem as informações antes de saírem compartilhando nas redes sociais.

Manifestem com responsabilidade.

Um fraterno abraço a todos, e viva a democracia!

quinta-feira, 12 de março de 2015

Com crédito do BNDES, ampliação do aeroporto de Havana começa este mês

Banco de fomento aportará mais de 150 milhões de dólares ao empreendimento — 72,4% do valor total; obra será executada pela Odebrecht

Aeroporto Internacional José Martí, em Havana(Franklin Reyes/AP/VEJA)













As obras da Odebrecht para a ampliação do aeroporto de Havana, em Cuba, começarão ainda este mês, segundo informações dadas pelo diretor da construtora na ilha, Fábio Goebel, à imprensa cubana. Segundo Goebel, o projeto é avaliado em 207 milhões de dólares e consistirá na restauração e modernização do terminal 3, que atende voos internacionais na capital. Do valor total, 150 milhões de dólares (ou 72,4%) serão financiados pelo Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Em janeiro do ano passado, a Odebrecht iniciou a primeira fase das obras do porto do Mariel, a 45 quilômetros de Havana, com um investimento total previsto de 957 milhões de dólares, mais da metade financiados pelo BNDES.

Em nota, o banco explica que, tanto no caso de Mariel quanto do aeroporto, o financiamento não foi feito diretamente aos projetos ou ao governo cubano, e sim enquadrado no escopo de "exportação de bens e serviços de uma empresa brasileira" - que, no caso, é a Odebrecht. Segundo o BNDES, a operação para financiar o aeroporto foi contratada, mas ainda não houve o desembolso para a construtora.

O acordo de financiamento do banco de fomento a um programa de expansão do setor aeroportuário foi firmado em 2013, durante uma visita à ilha do então ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Fernando Pimentel, foi assinado um acordo com Cuba para a concessão de um crédito de 176 milhões de dólares para a ampliação de cinco aeroportos no país.

No ano passado, Cuba superou pela primeira vez o limite dos três milhões de turistas, número que segundo alguns analistas pode duplicar quando os Estados Unidos retirarem a restrição para os americanos viajarem para a ilha, algo cada vez mais próximo no atual contexto de reaproximação diplomática entre Havana e Washington.

Além das obras no aeroporto, o BNDES também se comprometeu a financiar com 290 milhões de dólares na segunda etapa das obras do porto do Mariel, que também será executada pela Odebrecht.

O porto está encravado na Zona Especial de Desenvolvimento Mariel (ZEDM), a primeira do tipo em Cuba. O objetivo é que o local se transforme em um grande centro empresarial e pólo de atração ao investimento estrangeiro, sob condições fiscais e trabalhistas vantajosas para a instalação de empresas.
(Fonte: VEJA)

Dilma convoca ministros para plantão de emergência por causa de protestos

Dilma convoca sua tropa de elite



A presidente Dilma Rousseff convocou alguns de seus principais ministros para ficarem em Brasília no fim de semana, segundo informa Mônica Bergamo, na sua coluna desta quinta-feira na Folha de S.Paulo..

Ela quer um plantão de emergência para acompanhar os protestos organizados contra o governo em todo o país.

Estão escalados os ministros Aloizio Mercadante, da Casa Civil, José Eduardo Cardozo, da Justiça, Miguel Rossetto, da Secretaria-Geral da Presidência, Thomas Traumann, de Comunicação, e Jaques Wagner, da Defesa.
(Fonte: BlogDoMagno)

terça-feira, 10 de março de 2015

Consultoria diz que Brasil pode ficar 'pior, muito pior'



Gavekal diz que Brasil pode ficar “pior, muito pior”


As grandes consultorias internacionais, que ajudam a formar a opinião de investidores, empresários e políticos no mundo todo, começaram a ‘rasgar o verbo’ sobre a crise brasileira.

Uma delas, a Gavekal, publicou ontem um relatório intitulado,“The Land Of Wishful Thinking” (“A terra de torcedores”, numa tradução livre).

O texto começa bem direto: 
  “Quão ruim o Brasil pode ficar? Pior, muito pior.”

O analista Arthur Kroeber, cuja maior especialidade é a China, esteve no Brasil na semana passada e conversou com investidores, gente do governo e acadêmicos. Para Kroeber, a “extraordinária deterioração” do Brasil aconteceu nos últimos seis meses, “e não está nem de longe prestes a terminar.”

Ele nota que o mercado já levou o dólar para R$3 e que a Bovespa já caiu 19% desde seu pico em agosto, mas diz que “correções mais profundas vão acontecer,” em linha com o que discutimos aqui ontem.

Os maiores investidores institucionais brasileiros, que venderam suas posições em Bolsa há meses, estão “perplexos que o capital internacional continue entrando” na Bovespa, escreveu o analista.

“Quando os estrangeiros entenderem o que está acontecendo, tanto as ações e o real vão cair ainda mais.”

O relatório descreve a lambança na Petrobras, mas também aponta os desafios da Vale, cujo principal produto caiu de US$134 por tonelada para cerca de US$60.

“A Vale está mais mal posicionada para enfrentar esta crise do que os seus concorrentes, a BHP Billiton e a Rio Tinto, porque ela é mais concentrada no minério de ferro e fica mais distante da China, o que faz com que seus custos mais altos de transporte aumentem sua desvantagem de preço. O petróleo mais barato vai reduzir os custos de frete e diminuir um pouco a dor. Mas com o preço do minério abaixo de US$65, a Vale vai enfrentar uma pressão financeira intensa.”

A Gavekal diz que o efeito combinado destes fatores negativos vai fazer o PIB brasileiro contrair “entre 1% e 2% este ano, com outra queda um pouco menor em 2016.”

“Esta será a primeira vez desde 1929-1930 que a economia brasileira se contrairá por dois anos consecutivos,” prevê a consultoria.

Pelo menos em um trecho do relatório a consultoria vê o copo meio cheio. “É uma pena que haja tão pouco ímpeto em qualquer setor para reverter esta crise — a qual, para sermos justos, será menos danosa que a crise da dívida nos anos 80 e da hiperinflação no início dos anos 90, sem mencionar o quase caos em que se encontram Argentina e a Venezuela.”

Ufa. Agora sim, já me sinto bem melhor.
Por Geraldo Samor

Laranjas importadas da Líbia estão contaminadas com HIV?

Verdade ou Mentira?


É verdade que foi interceptada uma grande quantidade de laranjas, vindas da Líbia, que estavam contaminadas com o vírus da AIDS?

O alerta apareceu nas redes sociais no final fevereiro de 2015 e chama a atenção para um carregamento de laranjas infectadas com o vírus HIV, que teria vindo da Líbia. O texto que pede para ser repassado, diz que o Serviço de Saúde da Argélia teria interceptado a entrega das frutas. Fotos que companham o aviso mostram algumas laranjas manchadas de pontos vermelhos, dando a entender que aquilo seria sangue contaminado.

Algumas dessas postagens feitas no Facebook alcançaram mais de 450 mil compartilhamentos!

Será que o alerta é real?
O Serviço de Saúde da Argélia teria apreendido um grande carregamento de laranjas da Turquia contaminadas com o vírus da AIDS! Será verdade? (foto: Rerodução/Facebook)


Verdadeiro ou falso?


O texto alarmista possui varias características de um boato virtual:

  • Não é datado
  • Trata de um assunto que atrai muitos leitores
  • Pede para ser repassado
  • Cita nomes de instituições para conseguir mais credibilidade

A primeira dúvida que surge ao lermos notícias como essa é: Quando o fato teria ocorrido?

O alerta não deixa claro quando a apreensão aconteceu e basta uma busca rápida na web para descobrirmos que em dezembro de 2014 essa história já corria por aí com diferentes versões. Um exemplo é essa postagem feita no Twitter, em árabe, dizendo que foram encontradas laranjas contaminadas com o “vírus C” (provavelmente, Hepatite C) no Egito.

Note que, em dezembro, o rumor não citava a Argélia ou a Turquia.
Outro exemplo é essa postagem que circulou em holandês, em fevereiro de 2015:
Versão que circulou em holandês, no WhatsApp! 

Voltando no tempo, podemos achar essas mesmas imagens publicadas no dia 09 de dezembro de 2014, em um site de notícias árabe, mostrando que a Inspeção Sanitária de Buraimi tenta desmentir os boatos a respeito de frutas que estariam contaminados com diversos vírus.

Uma publicação do Iêmen usou das mesmas fotos para espalhar que as laranjas estariam sendo contaminadas com Hepatite B e sangue soropositivo e enviadas do Egito para países vizinhos.


Boato antigo


Meses antes, em agosto de 2013, a Embaixada da Tailândia teve que emitir uma nota desmentindo rumores que afirmava que vários produtos enlatados daquele país estavam sendo exportados com o vírus da aids.

Como todo bom boato, esse tem várias versões, cada um mostrando um país de origem diferente das supostas laranjas contaminadas. Tanto que, em março de 2015, o Órgão do Governo que fiscaliza alimentos e remédios nas Maldivas desmentiu os rumores que circulavam a respeito das suas frutas estarem sendo exportadas contaminadas com vírus do HIV.

Apesar de não encontrarmos a origem dessas imagens, tudo indica esses frutos são laranjas sanguíneas,ou laranja-de-sangue, ainda imaturas. 

O vírus HIV sobrevive em frutas?


De acordo com o portal aids.gov.br, o vírus da aids é bastante sensível ao meio externo:

“[…]Estima-se que ele possa viver em torno de uma hora fora do organismo humano. Graças a uma variedade de agentes físicos (calor, por exemplo) e químicos (água sanitária, glutaraldeído, álcool, água oxigenada) pode tornar-se inativo rapidamente.”

Portanto, mesmo que essa história de contaminação fosse verdade, o vírus dificilmente conseguiria sobreviver a uma viagem de um país a outro dentro de uma laranja. Além disso, o vírus HIV, depois de tanto tempo fora do organismo, não suportaria também a acidez do estômago e a contaminação através da ingestão dessa forma seria impossível de ocorrer.

Conclusão


A história das laranjas contaminadas com o HIV é um boato sem o menor fundamento e que não deve ser repassado!
(Fonte: E-FARSAS.COM)

Vigilância Sanitária dá dicas para a compra de peixes

Vigilância Sanitária dá dicas para a 
compra de peixes durante a Quaresma
Repare na pele – O peixe bom tem a sua pele brilhante, ao contrário do ruim, que tem sua superfície opaca e sem vida




A Vigilância Sanitária de São José dos Campos preparou algumas dicas para os consumidores na hora de comprar e consumir peixes, costumes muito comuns na Quaresma. Nessa época, iniciada logo após o Carnaval, a venda do alimento aumenta consideravelmente. Os cuidados na compra de pescados devem ser dobrados com o aumento da demanda.

Nos supermercados, os peixes devem ser armazenados em balcão frigorífico. Nas feiras livres, é essencial que estejam refrigerados com gelo suficiente para evitar a perda da qualidade. E durante a compra, deve ser colocado no carrinho somente no final, para evitar exposição ao calor e não estragar.

Caso o peixe seja embalado, o consumidor precisa estar atento ao peso, à temperatura e forma de conservação e às condições da embalagem, que não pode estar rasgada ou amassada. O produto precisa apresentar bem visíveis, além da marca e do produto, o registo no Serviço de Inspeção (SISP, informações nutricionais e prazo de validade.

Se o cliente optar pelo bacalhau, que é um preferidos nesta época, o consumidor deve observar os seguintes sinais, que são inadequados: fendas profundas, aspecto pegajoso ou cozido, coágulos e manchas de sangue. Evite comprar se estiver vermelho ou com pó fino cinzento, branco ou amarelo. Isso revela problemas de processamento e conservação.

“Para o consumidor, é fundamental seguir essas dicas para não comprar produtos de qualidade duvidosa. Caso o consumidor encontre irregularidade, poderá fazer uma denúncia através do número 156, para que o estabelecimento seja averiguado”, afirma a responsável da Vigilância Sanitária.

O que observar no peixe antes de comprar

Repare na pele – O peixe bom tem a sua pele brilhante, ao contrário do ruim, que tem sua superfície opaca e sem vida.

Foco nas escamas – Elas devem estar bem firmes no corpo do peixe. Se você puxar uma delas e soltar com facilidade, é um indício de que você deve buscar por outro animal.

Olhos brilhando – Assim como a pele, os olhos devem estar brilhando com cores vivas. Caso estejam cinza ou esbranquiçados, é mau sinal.

Brânquias vermelhas –Também conhecidas como guelras, essa parte localizada no fim da cabeça deve estar o mais avermelhada possível. Descarte os que estiverem com elas rosadas ou acinzentadas.

Aperte a barriga – Musculatura firme é uma característica de peixe fresco. Apertando a barriga, seu dedo pode até fazer uma marca, mas ela deve sumir em pouco tempo. Caso a pele não volte ao normal, procure outro peixe.

Sinta o cheiro – Peixes têm cheiro forte, mas não igual par atodos. Os bons cheiram à maresia.

(Fonte: SJC.SP)

segunda-feira, 9 de março de 2015

Nova abordagem dos bandidos #FiqueAtento

Nova abordagem dos ladrões:



Se você, motorista, avistar frutas, verduras ou legumes espalhados na rodovia evite passar por cima deles. Bandidos estão colocando pregos nas frutas com a intenção de furar os pneus dos veículos, deixando os condutores vulneráveis.        

  #FiqueLigado         #FiqueAtento 



sexta-feira, 6 de março de 2015

Após 20 anos, real perde poder de compra, e nota de R$ 100 vale só R$ 22,35

Desde que o Plano Real foi lançado, em 1º de julho de 1994, até fevereiro de 2014, a moeda se desvalorizou 77,65%. Com isso, a nota de R$ 100, na prática, vale hoje R$ 22,35, segundo cálculos do matemático financeiro José Dutra Vieira Sobrinho.
















-
Ao longo de quase 20 anos do Plano Real, a inflação acumulada desde 1/07/1994 até 1/2/2014, medida pelo IPCA, foi de 347,51%. Assim, um produto que custava R$ 1,00 em 1994 custa hoje R$ 4,47.

O matemático financeiro José Dutra Vieira Sobrinho afirma que, em decorrência desse fato, a cédula de R$ 100,00 perdeu 77,65% do seu poder de compra desde o dia em que passou a circular. Com isso, o poder aquisitivo da nota de R$ 100,00 é hoje de apenas R$ 22,35.

A perda desse poder aquisitivo é calculada por uma fórmula matemática na qual se divide o valor nominal da moeda pela taxa de inflação somada a 1. Quem quiser aprender a calcular a perda do poder aquisitivo da moeda pode acompanhar a explicação do professor Dutra no seu blog.

"O real foi reduzido a quase um quinto do valor em 20 anos", diz o professor. "Mas isso ainda é uma vitória. Porque mesmo passados 20 anos, ela ainda mantém um certo poder aquisitivo. O histórico anterior era de uma inflação que chegava a 5.000% ao ano."

A garoupa virou lambari
"Com essa desvalorização, se o indivíduo ganhava R$ 100 em 1994 agora precisa de R$ 400 para poder atender aos seus desejos", diz o professor de Economia do Insper Otto Nogami. "A garoupa virou um lambari", referindo-se ao peixe que estampa a nota de R$ 100.

A onça também virou um gatinho –a nota de R$ 50 hoje tem o poder de compra de R$ 11,17. Em 20 anos, o valor da moeda de R$ 0,01 praticamente desapareceu.

Isso se deve por conta do efeito da inflação sobre o poder de compra. "A inflação é o termômetro que mede a diferença entre o desejo de consumir e a capacidade de produzir", diz Nogami.

Quando o desejo de consumir é maior do que a capacidade de produção, os preços sobem.

Inflação é problema crônico no Brasil
O crônico problema brasileiro com a inflação está, portanto, na incapacidade de o país produzir o suficiente para atender à demanda reprimida, ou seja, àqueles que querem consumir e pagam por isso.

"Há também um incentivo inconveniente e imprudente por parte do governo de estimular compras sendo que não há a produção necessária para atender o consumo. Outro fator que estimulou a inflação foi a queda abrupta da taxa de juros até 2012. A oferta de crédito fez com que as pessoas se sentissem mais "ricas". "O brasileiro partiu para o consumo desenfreado, se endividou, se tornou inadimplente. E a conta para pagar veio."

Como sair dessa situação?
É simples, diz o professor Nogami. A primeira providência é investir no setor produtivo para adequar as necessidades de produção ao consumo.

O segundo item importante é o investimento em educação. Incluir na grade curricular conceitos fundamentais de finanças pessoais. Ensinar a importância de poupar.

"Sonhos de consumo podem e devem ser realizados, mas mediante um planejamento. Primeiro economizar para realizar o sonho e não antecipar o sonho usando empréstimos e financiamentos que no médio prazo reduzem sua capacidade de consumir", diz.

E, quando o produto estiver caro demais, deixe-o na prateleira. Afinal, quando o produto sobra, as liquidações aparecem.

A nota de R$ 5,00 vale R$ 1,12, de acordo com cálculos do matemático financeiro José Dutra Vieira Sobrinho




A moeda de R$ 0,25 equivale, atualmente, a R$ 0,06




A moeda de R$ 0,01 ainda existe, mas a inflação de 347,51% ao longo dos quase 20 anos do Plano Real fez com que, na prática, ela não valha mais nada


(Fonte: Economia.uol)