Pesquise aqui o assunto que você procura:

sábado, 27 de julho de 2013

Justin Bieber cospe em fãs em hotel no Canadá



25.jul.2013 - Justin Bieber é fotografado cuspindo em fãs em sacada de hotel no Canadá

O cantor Justin Bieber foi flagrado cuspindo em fãs na última quinta-feira (25) em Toronto, no Canadá. A foto foi publicada pelo site especializado em celebridades TMZ.

No momento em que a imagem foi tirada, Bieber estava na sacada de seu hotel. Embaixo, na frente do estabelecimento, vários fãs estavam reunidos para ver o astro teen. Não se sabe se o cuspe chegou a atingir alguém.

Essa não é a primeira vez que o cantor é visto cuspindo em outras pessoas. Ele já teria cuspido em uma mulher de sua academia, um DJ e um vizinho, que pode processá-lo.

Recentemente, ainda foi divulgado um vídeo em que Bieber aparece urinando em um balde de limpeza de um restaurante e xingando o ex-presidente norte-americano Bill Clinton.

(Fonte: UolCelebridades)

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Gasto com voos leva Eduardo Campos a silenciar

Governador não comenta os R$ 5,173 milhões usados para fretar aeronaves. Oposição vai esperar fim do recesso para protocolar pedido de informação



Cercado pela imprensa local e nacional, o governador Eduardo Campos (PSB), em sua primeira oportunidade pública para justificar os R$ 5,173 milhões gastos em 18 meses com aeronaves e helicópteros fretados, preferiu silenciar. Após solenidade sobre o balanço de um ano da Comissão Estadual da Verdade ontem, no Centro de Convenções, ele foi sabatinado por jornalistas. A informação sobre os valores empregados em voos fretados foi publicada na coluna JC Negócios, anteontem.

No Portal da Transparência, não constam os nomes dos passageiros, destinos e os motivos dos deslocamentos. Estão disponíveis para consulta as empresas contratadas, as datas dos contratos e os valores empenhados. Do início de 2012 para cá, três operadoras executaram os pedidos: Sociedade de Táxi Aéreo Weston Ltda, Easy Táxi Aéreo Ltda e Colt Táxi Aéreo S.A. Somente no ano passado foram desembolsados R$ 3,6 milhões referentes a 73 voos – média de R$ 49,8 mil por cada deslocamento. Desde janeiro deste ano já foram gastos, pelo menos, R$ 1,5 milhão.

Diante dos valores divulgados, a bancada de oposição se moveu para entrar com um pedido de informação. O líder oposicionista, deputado estadual Daniel Coelho (PSDB), explicou que, pelo fato de a Assembleia Legislativa estar em recesso, o documento só poderá ser protocolado em agosto, quando serão retomadas as plenárias. A partir do protocolo do pedido, o governo tem 30 dias para responder. “Pediremos para reduzir esse prazo”, disse o tucano. Informado sobre o silêncio do governador, o oposicionista rebateu: “Transparência deve ser de praxe. Não há motivo para não comentar, prestar esclarecimento. Até porque se trata de dinheiro público e o contribuinte tem o direito de saber.”

Apenas o secretário de Comunicação, Evaldo Costa, se pronunciou sobre o assunto. Ele alegou que o gasto não se restringe a viagens feitas pelo governador, mas por toda equipe. No Rio, o governador Sérgio Cabral (PMDB) é alvo de investigação do Ministério Público por supostas despesas irregulares com a frota oficial de aeronaves.


quarta-feira, 17 de julho de 2013

Homem tenta pagar prostituta com cartão do Bolsa Família na Bahia

Um homem tentou pagar uma prostituta com um cartão do principal programa social do governo federal, o Bolsa Família, segundo a central de polícia da cidade de Itapetinga, a cerca de 560 km de Salvador.

O homem foi identificado apenas com o prenome de João, porque o caso não chegou a ser registrado quando ocorreu, na madrugada de 27 de junho.

De acordo com o policial Tiago Bottino, que trabalhou na noite do incidente, João criou confusão ao levar a prostituta ao motel Mirage, às margens da rodovia BA-263, sem dinheiro para pagar os R$ 50 do programa e o valor do quarto do estabelecimento.

Bottino não explicou qual "tática" seria usada por João com o cartão do Bolsa Família, que funciona apenas para saque em agências da Caixa Econômica Federal. À reportagem o recepcionista do motel, que não quis revelar seu nome, disse que a garota pediu ajuda porque estava sofrendo um "golpe".

"Depois que chamamos a polícia, o cara apresentou um som do seu carro para colocar como empenho à dívida. Ele tentou usar até o Cartão Cidadão [ligado a questões previdenciárias do INSS", disse.

O recepcionista ainda afirmou que a situação pode ter ocorrido porque o motel não aceita cartão de crédito. "O pessoal sempre entra sem olhar a placa [da proibição] e depois precisa tentar resolver com a gente como é que fica [o pagamento]." O caso só passou a ser investigado agora pelo delegado do município, Roberto Júnior.

"Estamos apurando a conduta dos policiais militares chamados ao local, que não fizeram o registro da ocorrência e resolveram por lá, mesmo, além de saber o que efetivamente aconteceu", diz Júnior.

O Ministério do Desenvolvimento Social, responsável pelo Bolsa Família, informou que não pode se manifestar sobre algo que não foi oficialmente registrado. Embora a titularidade do cartão quase sempre seja da mulher das famílias atendidas pelo programa, há casos como de viúvos em que o homem passa a ser dono do benefício.

Pesquisas divulgadas pelo ministério dizem que o dinheiro dos saques é usado preferencialmente para compra de material escolar e alimentação.

Saiba mais o que se fazer com o Bolsa Família



domingo, 14 de julho de 2013

'Manifestantes' ganham até R$ 70 para ir a ato sindical na Paulista

Protesto dos Motoboys do SindimotoSP saiu do Brooklin e seguiu até a 23 de maio com destino à av. Paulista



Numa rua atrás do Masp, um grupo de 80 pessoas com camisetas da UGT (União Geral dos Trabalhadores) espera em fila a vez de preencher um papel. Trata-se do recibo de que ganharão R$ 70 por terem participado, vestidos como militantes, do ato de ontem na avenida Paulista.

A Folha presenciou a entrega do recibo, que se deu por volta das 15h, quando a manifestação acabou.

Dar dinheiro foi 'humanitário', diz recrutador de manifestantes
Mulheres de 30 e 40 anos e rapazes com aparência de pós-adolescentes entregavam uma pulseira numerada que usaram na manifestação a um homem de agasalho, que perguntava o nome da pessoa, preenchia o recibo e o entregava aos presentes.

No documento, consta que o pagamento é uma ajuda de custo para alimentação e transporte. Na parte de cima do papel, há impressa a data e o nome da manifestação: "11 de julho - Dia de Luta".

Em duas ocasiões, pessoas que organizam o grupo abordaram a reportagem e pediram para que deixasse o local.

Na fila, as pessoas confirmaram que não tinham relação com sindicatos filiados à UGT e que foram ao ato apenas para receber os R$ 70. Com medo de represálias, não quiseram dar o nome.

A UGT é presidida por Ricardo Patah, sindicalista filiado ao PSD, partido do ex-prefeito Gilberto Kassab. Ele negou que a central tenha pago manifestantes.


QUAL SINDICATO?

A UGT não foi a única central a ter pessoas que receberam dinheiro. A Folha falou com um rapaz e uma mulher com camisa da CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros):

Folha - A que sindicato você pertence?
Rapaz - Ixi... Qual o nosso sindicato mesmo [pergunta para a mulher ao lado]?

Mulher - Este aqui, olha: CSB [e aponta para a camisa que vestia].

Folha - Mas o CSB é uma central sindical. Qual o sindicato específico?

Mulher - O dos trabalhadores... [Não existe um sindicato que represente genericamente "trabalhadores".]

Depois, ela declarou que foi à Paulista por R$ 50.

Em seu site, o CSB elenca como afiliados, por exemplo, o sindicato dos trabalhadores de processamento de dados do Estado, entre outros.

O dirigente da entidade presente à passeata negou pagamento aos militantes.

Tanto os manifestantes da UGT quanto os da CSB ficavam, com bandeiras e balões, diante do caminhão em que foram feitos os discursos.

Ao final do ato, militantes de outras centrais sindicais rumaram para a Consolação. Instados a continuar por pessoas com bandeira do PCO (Partido da Causa Operária) --de ideologia comunista trotskista--, os militantes da CSB e da UGT se recusaram: queriam ir embora.

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Usuários de drogas podem ter 10% de vagas em concurso

LUCAS SIMÕES

Diante da escassez de investimentos públicos para os tratamentos de usuários de drogas no Estado e da alta taxa de ocupação das vagas públicas destinadas a esse tipo de abordagem, Minas poderá adotar uma medida polêmica: reservar 10% das vagas em concursos públicos no Estado para dependentes químicos.

A sugestão foi feita pelo presidente da Comissão de Enfrentamento ao Crack, o deputado estadual Vanderlei Miranda (PMDB), durante o ciclo de debates Um Novo Olhar sobre o Dependente Químico, encerrado, ontem, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), na capital. “Fomos muito cobrados de que o poder público não ajuda na reinserção de usuários de drogas. Sugeri isso ao governo, mas ainda não obtive resposta para decidirmos o que fazer”, afirmou.

O projeto causa polêmica entre entidades que lidam com o tratamento de dependentes químicos. Para Robert William, da ONG Defesa Social, que trabalha com o tratamento de dependentes químicos, o investimento deveria ser em vagas públicas de tratamento. “Em certo ponto, pode parecer bom (reservar empregos públicos para usuários de drogas), ajudando o dependente a se reinserir. Mas o principal é que o Estado invista em vagas públicas de tratamento”, frisou.

Segundo Cleiton Dutra, assessor de política de gabinete da Subsecretaria de Política Anti-Drogas, a reserva de vagas para usuários de drogas em concursos públicos não foi analisada. “Não tenho conhecimento do assunto, isso deve ser analisado. Mas, independentemente disso, vamos expandir as vagas públicas futuramente”, disse.

Números

Minas oferece 1.600 vagas de para tratamento de dependentes químicos – 96,34% das quais ocupadas, segundo a subsecretaria de Polícia Anti-Drogas – e pretende chegar a 3.000 mil, mas a expansão não tem data prevista.
(Fonte: O Tempo)