Pesquise aqui o assunto que você procura:

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Governo amplia Bolsa Família e garante R$ 70 por pessoa

Cerca de 2,5 milhões de beneficiários do Bolsa Família serão favorecidos.
Governo estima que outros 2,5 milhões não localizados seguem na miséria.

 


O governo federal anunciou nesta terça-feira (19) uma ampliação do programa Bolsa Família. A partir de agora, os beneficiários que tenham renda menor do que R$ 70 per capita (por pessoa) passarão a receber um complemento no benefício para que possam sair da extrema pobreza.

O governo considera como extremamente pobres, miseráveis ou na pobreza absoluta as famílias cuja renda mensal por pessoa é inferior a R$ 70.

Com a medida, uma família que tenha, por exemplo, renda per capita de R$ 40 por mês, passará a receber um benefício extra para superar os R$ 70.

Com a iniciativa, todos os 22 milhões de beneficiários cadastrados no Bolsa Família ficarão acima da linha de extrema pobreza, conforme Tereza Campello, ministra do Desenvolvimento Social.

A estimativa, no entanto, é de que ainda existam cerca de 2,52 milhões de brasileiros não identificados ou cadastrados nos programas sociais vivendo em situação de miséria. Segundo Tereza Campello, para erradicar a pobreza absoluta no país o governo precisa localizar e incluir essas pessoas no Cadastro Único para Programas Sociais (Cadúnico).

Ao anunciar as medidas, a ministra disse que a iniciativa elevará imediatamente a renda de cerca de 2,5 milhões de beneficiários do Bolsa Família, que terão garantidos mais de R$ 70, seja unicamente pelo Bolsa Família ou como complemento ao salário que recebem.

De acordo com informações do ministério, a complementação de renda aos 2,5 milhões de brasileiros custará R$ 773 milhões em 2013. O pagamento começará a ser feito em março deste ano. 

Saiba mais no site do G1, clique AQUI


sábado, 16 de fevereiro de 2013

Aracaju é 3ª Capital com vereadores reeleitos que mais enriqueceram

 Levantamento feito pela Folha de S. Paulo mostra crescimento de patrimônio de 64% entre vereadores reeleitos de Aracaju; dos 24 eleitos em 2012, apenas um é milionário: Dr. Gonzaga; dos nove vereadores reeleitos, cinco aumentaram patrimônio, mas há os que disseram ter reduzido dinheiro e bens de 2008 para 2012


Valter Lima, do Sergipe 247 – A manchete do jornal Folha de S. Paulo da sexta-feira (15) mostrou que o ex-judoca Aurélio Miguel multiplicou os bens dele desde que se tornou vereador em São Paulo. Saltou de um patrimônio de R$ 1,4 milhão em 2004 para R$ 25 milhões, em oito anos.

A matéria repercutiu em todo o Brasil, já que o “milagre da multiplicação” de bens de parlamentares não está restrito a São Paulo. Está bem próxima da realidade local. Aracaju, segundo a reportagem, é a terceira Capital do país onde os vereadores reeleitos mais elevaram seus patrimônios. O crescimento foi de 64%.

Levantamento feito pelo Sergipe 247 mostra que dos nove parlamentares que conseguiram se manter na Câmara de Aracaju, cinco elevaram seus ganhos nos últimos quatro anos (entre 2008 e 2012). Isto se deu com os vereadores Dr. Gonzaga, do PMDB (que saltou de R$ 557 mil para R$ 1,4 milhão); Dr. Emerson, do PT (que passou de R$ 483 mil para R$ 765 mil); Emanuel Nascimento, do PT (saiu de R$ 80 mil para R$ 137 mil); Pastor Jony, do PRB (subiu de R$ 50 mil para R$ 320 mil) e Valdir Santos, do PT do B (que saltou de R$ 49 mil para R$ 96 mil).

No entanto, de acordo com a reportagem do jornal paulista, o exame das declarações obrigatórias de bens feitas por candidatos à Justiça Eleitoral “parece indicar que o nível econômico dos que disputam o cargo de vereador está se reduzindo no país”. Nas eleições de 2012, a soma patrimonial desses candidatos em todo o Brasil foi de R$ 42,3 bilhões, enquanto que, em 2008, havia sido de R$ 183,8 bilhões.

Corrigindo-se o último valor pela inflação (23% pelo IPCA), há um decréscimo de 81% entre as duas eleições. Entre os vereadores eleitos, a redução patrimonial agregada foi de 73%. Nas capitais, a queda nos patrimônios declarados foi de 9%, de R$ 3,2 bilhões (corrigidos) para R$ 2,9 bilhões.

Considerando-se apenas os vereadores eleitos nas capitais em 2008 e 2012 (não necessariamente reeleitos) houve acréscimo de 14%. Quanto aos que foram reeleitos em 2012, houve – surpresa - uma redução patrimonial de 25%. O fenômeno não aconteceu de modo uniforme entre as capitais. Em algumas, os vereadores reeleitos enriqueceram e em outras declararam queda de patrimônio.

Este foi o caso de três vereadores reeleitos de Aracaju, que disseram ter perdido patrimônio nos últimos quatro anos: Robson Viana (PMDB) caiu de R$ 69,5 mil para nenhum bem declarado; Ivaldo José (PSD) reduziu de R$ 51 mil para R$ 19,8 mil e Jailton Santana (PSC), que disse ter diminuído de R$ 108 mil para nenhum bem. O vereador Nitinho (DEM) manteve intacto o patrimônio em quatro anos: os mesmos R$ 93.5 mil.

Entre os vereadores novatos de Aracaju, de acordo com a pesquisa feita pelo Sergipe 247, o que informou ter maior patrimônio foi Adelson Filho (PSL), com R$ 504 mil; seguido por Iran Barbosa (PT), com R$ 380 mil, e Dr. Agnaldo (PR), com R$ 371 mil. Há ainda Vinicius Porto (DEM), com R$ 290 mil, e Lucimara Passos (PC do B), com R$ 280 mil.

Com patrimônio acima dos R$ 100 mil estão Manuel Marcos (DEM) com patrimônio de R$ 132 mil; Renilson Félix (DEM), com R$ 160 mil; Anderson de Tuca (PRTB), com R$ 143 mil e Agamenon Sobral (PP), com R$ 155 mil.

Abaixo deste valor aparecem Daniela Fortes (PR), com R$ 55 mil; Pastor Roberto Morais (PR), com R$ 90 mil; Augusto do Japaozinho (PRTB), com R$ 29,7 mil e Adriano (PSDB), com R$ 80 mil. Os dois vereadores do PSB, Max Prejuízo e Lucas Aribé, declararam não possuir bens.

As três capitais cujos vereadores reeleitos mais enriqueceram foram Salvador (122%), Teresina (82%) e Aracaju (64%). As com maior queda de patrimônio foram Campo Grande (72%), Boa Vista (70%) e Goiânia (30%).
(Fonte: Brasil 247)

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Brasil Sem Maquiagem

O vídeo ‘Brasil sem maquiagem’, atribuído ao site www.brazilwithoutmakeup.com, está bombando no Youtube. Meio fantasiado de palhaço, o apresentador discorre uma série de ironias sobre a apresentação feita em agosto de 2012, em Londres, que alçou o Rio de janeiro a cidade sede das Olimpíadas de 2016. Rafael, que afirma não receber nenhum financiamento para seus vídeos, fez sucesso nas redes sociais quando apoiou a campanha do deputado Marcelo Freixo nas últimas eleições municipais.

Enquanto mostra a fantástica coreografia do gari Sorriso e a importância de seus pares na limpeza da Avenida Marquês de Sapucaí, para que os desfiles possam se suceder, o vídeo estampa o salário mensal da categoria: US$ 360.

Em seguida, o tal Rafucko satiriza a presença de Yemanjá, deusa dos mares, em um país que persegue as religiões afro-brasileiras. “Ela estaria mais segura em Londres”, alfineta, enquanto denuncia que políticos católicos e evangélicos chegam a proibir a menção destas religiões nas escolas públicas.

Brazil Without Make-Up 

(Fonte: Terra